sexta-feira, 6 de maio de 2011

MÃE


Mãe, não estás mais comigo.
Sem ti, meus passos sigo.
Mas como dói a saudade
Da tua simplicidade!

O tempo, fiel parceiro,
Dos meus caminhos luzeiro,
Não diminui a tristeza
Da tua falta e firmeza.

Guardo n´alma o teu retrato,
Que em mim permanece intato.
Deus te refugiou na graça,
Defendeu-te da desgraça.

Mãe, ensinaste-me tudo.
Diante do teu olhar mudo,
Do teu sorriso imortal,
Agradecer-te é surreal.

Dentro de mim trago a luz
Que ao infinito conduz.
Espero um dia seguir-te
E da tristeza excluir-me.

Em tua vida, me guio,
Tua constância copio.
Tu és meu fio condutor.
Hoje dou-te meu louvor.

Barrinhas e Divisórias

Mardilê Friedrich Fabre

 

6 comentários:

Jefferson Dieckmann disse...

Uma bela, merecida e justa homenagem! Parabéns! Abraços!

lúcia disse...

Bonito Mardi, ainda mais que faz tanto tempo...!
De uma mãe para outra, o tempo se encarrega de carregar a ternura e o carinho dessa relação tão rica: mãe e filha, filha e mãe.
Além disto estou conhecendo o rosto de tua mãe, que nunca tinha me sido apresentado!
Beijo e belos e felizes dias.

Jorge Sader Filho disse...

Doces e amáveis palavras dirigidas à memória da Mãe, que está viva no coração de Mardilê!

Forte abraço,
Jorge

Eritania Brunoro disse...

Lindo demais Mardi, um beijo grande para vc.

Nilza Aparecida disse...

Parabéns pela delicadeza e sensibilidade expressas num poema perfeito! Feliz dia das Mães!

Jussara Petry - (Ponte, Passagem, Encontro) disse...

Delicada Ode de Amor ao cântico doce do amor pelo amor do amor somente...
Em teus saudosos versos de amor, vejo-te de joelhos em grata prece por ter aprendido a amar...sendo amada. Ah...Mães que o tempo leva mas não apaga da mente, acobchega-nos em seu peito e acalenta-nos até de novo nos encontrarmos.
Lindo poema! Puro amor.
Beijo,
Ju