sexta-feira, 28 de abril de 2017

Vazios




Teoria deste tipo de composição literária:
http://comocriarpoemas.blogspot.com.br/2015/09/enlaces-disticus.html

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Tarde demais



Afinal nos encontramos.
Demoraste muito. Demoraste tanto
Que já não podemos nos amar.
Eu sabia da tua existência.
O senhor das vidas não permitiu
Que nos encontrássemos antes.
Convivi contigo em meu coração,
Imaginei teu olhar em cada despedida,
Senti teus lábios na minha pele,
As tuas mãos no meu cabelo revolto,
Descansei a cabeça no teu ombro,
Chorei abraçada por ti.
Havia um recanto só nosso
Onde me declaravas teu amor,
As mais belas declarações
Que alguém pode pronunciar.
Nunca senti saudade de ti,
Estavas sempre em mim,
Bastava eu pensar e te via ao meu lado,
Não carecia chamar-te,
Acompanhavas-me em todos os momentos.
Conhecias-me tão bem...
Que pena!
Tarde demais permitiram
Que te revelasses.

Mardilê Friedrich Fabre
Imagem: MiLeide - blogger

sábado, 8 de abril de 2017

Um tempo



Quero um tempo sem tempo de girar,
Um tempo meu, parado, de olhar,
Um tempo sem relógio, de preguiça,
De não refletir, vida mortiça.

Um tempo sem sonhos despedaçados,
Nem lágrimas, nem pesares, nem brados.
Um tempo em que sobrem noites vadias
De desejos vertidos em euforias.

Um tempo de movimentos eternos
Que manifestem sentimentos ternos.
Um tempo vestido de horas únicas
(Passe o vento sem arrancar-lhes as túnicas).

Um tempo de sol liberto do posto
Cujo brilho resplandeça transposto.
Um tempo que no meu silêncio soe,
Flua no coração e não destoe.

Mardilê Friedrich Fabre
Imagem: nochedeluz.blogspot.com

sexta-feira, 31 de março de 2017

Bem-vindo, Outono.


Teoria deste tipo de composição literária:
http://comocriarpoemas.blogspot.com.br/2014/08/aldravia_14.html




Teoria deste tipo de composição literária:
Fabre, Mardilê Friedrich. Rumos da Poética no Século XXI. São Leopoldo, Oikos, 2012.


sexta-feira, 24 de março de 2017

Momento lúcido



Teoria deste tipo de composição literária:

http://comocriarpoemas.blogspot.com.br/2015/07/gemius.html

sexta-feira, 17 de março de 2017

sexta-feira, 10 de março de 2017

Pretensão


Este é um dimidium. Teoria deste tipo de poema:
http://comocriarpoemas.blogspot.com.br/2015/07/dimidium.html

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Decepção


Teoria deste tipo de composição literária:
FABRE, Mardilê Friedrich. Rumos da Poética no Século XXI. São Leopoldo, Oikos,2012.


sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Lição de casa


Ainda não aprendi
A fazer corretamente
Minha lição de casa.
Quando penso ter acertado
Toda a sublimidade com palavras mágicas,
Vem a vida e mancha
Meus códigos caprichados.
Apago e refaço,
Apago e refaço...
Fico tonta, com a mão cansada.
O coração afoga-se em lágrimas...
A mente paralisada
Não produz pensamentos.
A criatividade inexistente
Desiste de impulsionar idéias.
Luto, para que a luz
Continue acesa em minha memória.
Não existe perfeição, não posso desistir.
Saio das sombras para não perder a direção.
Conquisto o que parecia impossível:
Meus termos essenciais ora estabelecidos.
Retomo minha história
Para servir de texto-base
A fim de acertar de agora em diante,
Retornam as visões claras
De momentos impossíveis de esquecer.
Recomeço do zero... fantasmas aparecem,
Rondam-me, sussurram sugestões...
Em esmaecidas salas, descuidadas, escondo-me.
O tempo gira veloz,
E tira-me o direito
De transitar sem complementos.

Mardilê Friedrich Fabre
Imagem: GameDesire


sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Aprendo a ouvir o coração



Meu coração pôs-se a pulsar lentamente.
Foi sua maneira de reclamar
Que não lhe atendo as aflições.
Sussurra-me, sem alento para gritar,
Da sua mágoa e inquietação.
Suplica-me que bloqueie o desalento
Que o proteja das desilusões,
Que o desembarace do descaso,
Que o defenda do desrespeito.
Quedo-me em total silêncio,
Toma-me estranha sensação do nada.
Nunca parei e escutei meu coração.
É hora de fazê-lo.
Pobre coração!
Ele esmorece porque não lhe dou trégua,
Mendiga carícias de mim.
Preciso aprender a fasciná-lo
Com inebriantes pensamentos.
Pretendo absorver os primores da natureza
E presenteá-lo com o equilíbrio do voo dos pássaros,
Com a força da correnteza dos rios,
Com a pompa do sol,
Com a majestade da lua.
E enfim, com o meu eu
Convertido em melodiosa poesia,
Revesti-lo com a capa mágica do crepúsculo.

Mardilê Friedrich Fabre

Imagem: Adriana Caitano. WordPress.com

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Ao amor


Teoria sobre este tipo de composição literária:

http://comocriarpoemas.blogspot.com.br/2015/07/gemius.html

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Escada



Um torvelinho na imaginação
Destranca as portas do transcorrido,
Consente que visões esquecidas
Se adonem do meu momento.

Vejo-me sozinha no meio do nada.
Caminho para um lado, para outro,
Paro, volto-me... diante de mim,
Uma longa escada com degraus íngremes.

Vagarosa e apreensivamente, subo-a.
Os degraus, um a um, ficam para trás.
No topo, encontro-me com rostos exigentes
E olhares confiantes num futuro incerto.

Travo séria batalha com a cegueira.
Com vontade férrea, palavras e conselhos,
Apresento autores que permanecem
Por obras de conteúdo inigualável.

Inúmeros diálogos sobre afetividades
Traço com jovens indecisos e desconfiados.
Conquisto sua atenção com minha vitalidade.
Aprendo como ensiná-los a organizar pensamentos.

Com eles brinco de tecer quimeras
Por serem elas para mim
Tão importantes como para eles.
E os sonhos tornam-se reais...

O dia de descer a escada chega.
Assim como não vacilei em subi-la,
Também acontece quando a desço.
Concluo que foi mais difícil descer que subir.

Hoje, muito tempo depois, pipocam
As lições ensinadas, seja por meio de imagens,
Seja por meio de ações exemplares,
Seja por meio de discursos verdadeiros.


Mardilê Friedrich Fabre
Imagem: Diogo Beltrame


sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Loucura?


Esta composição literária se chama indriso. Para saber mais, consulte:
FABRE, Mardilê Friedrich. Rumos da Poética no Século XXI. São Leopoldo, Oikos, 2011.