sexta-feira, 17 de junho de 2016

Versos que não escrevi



Saudades dos versos que não escrevi,
Tão leves! lembram o voo do colibri.
Com gosto de beijo de morango,
Tão sensuais! como uma letra de tango.
Não revelam nosso apaixonante segredo,
Tão misteriosos! têm a vida como enredo.
Não cumprem sua missão: despertar amor,
Tão entristecidos! morrem no coração do criador.
Deixam sementes nos caminhos da alma,
Tão envolventes! abraçam o tempo com calma.

Não ensinam a usufruir dos sorrisos de rubi,
Tão abandonados! perdidos nos redobres do frenesi.

Mardilê Friedrich Fabre
Imagem: utopia43.blogspot.com

Este é um poema cuja autora nomeou "enlaces disticus."
Teoria:http://comocriarpoemas.blogspot.com.br/2015/09/enlaces-disticus.html





8 comentários:

Celso Correa de Freitas disse...

Abraçar o tempo com calma...Vou tentar!
CCF

Anônimo disse...

Adorei! Lindo mesmo...
Bjs... Lina

Anônimo disse...

Amei...lindo!

Beijo Mardilê!

Elô

Celso Ferruda disse...

Escrever os versos da vida e tão importante quanto viver eternamente...

Celso Ferruda disse...

Escrever os versos da vida e tão importante quanto viver eternamente...

Gilnei Nepomuceno disse...

Minha querida parceira de poesia, você a cada dia nos surpreende com sua inspiração. Nota mil. Adorei.

Zulma de bem disse...

Lindo, Mardilê, como sempre!

Anônimo disse...

Maravilhoso. Parabéns. Ilda Maria Costa Brasil