sexta-feira, 16 de novembro de 2012

No voo da borboleta



Amor em aquarela

Minha alma
Voa inquieta como borboleta.
Procura incansável
Por uma rosa amiga,
Cujo perfume
A envolva com manto
Transparente, encantado...
Em seu voo azul,
Projeta desejos
De nuances de amor
Em aquarela.














O bailado da borboleta

Em arabescos
Baila borboleta ao sol.
Do casulo
Recém-saída, metamorfoseada em quimera,
Pelo ar
Delineia rastros, coloridos, silenciosos...
Olhos machucados
Acompanham-na, agora fada disfarçada,
Que borda
O dia com fios
De fantasia.









Sensual borboleta

A violeta,
Entre folhas oculta, espichava
Seu olhar
Tímido p´ra borboleta vermelha
Que, atraída
Pelo perfume do cravo,
Volitava lânguida,
Insinuando-se sensual para ele.
Pobre borboleta!
Deslumbrava-se com a beleza
Superficial...leviana...




Mardilê Friedrich Fabre

Imagens: Google
 



5 comentários:

Jorge Sader Filho disse...

Os três poemas, como sempre, mostram a elegância da autora.
Mas "Sensual borboleta" traz uma nova face, verdadeira, que eu não conhecia. Gostei muito!

Abraço,
Jorge

nelmara cosmo disse...

Excelente toque poético com bastante claridade.
Convido-a a visitar iguabagrande2013.blogspot.com.br e www.nelmaracosmo.com.br

grata

CCF disse...

Três belos poemas que retratam a sensibilidade de Mardilê Fabre e agregam um enorme valor poético a estrutura OVERTRIP.
Parabéns Mardilê!
CCF
www.overtrip.blogspot.com
Acesse para conhecer e se revelar.

Anônimo disse...

Como sempre, adorei teu blog. Não sei se são poemas, poesias, haicai ou que nome darei a essa obra de arte. Só sei que me arrepiei toda. Bj
Neida

Maria Olinda Kehl Fogaça disse...

Mardilê querida
Nunca perco a esperança.
Tento com confiança
e agora aprendi.
Acho que sim.
Posso no blog postar.
Demorou mas consegui
E aproveito a ocasião
para te mandar uma abraço
do fundo do coração.
Mariolinda