sexta-feira, 17 de julho de 2015

Milagre


Cansei desses dias
Com aroma de saudade.
Tomo a decisão
De bordar momentos

Com linhas douradas
De presente.
Cada amanhecer nasce
Da presença abstrata
Do anoitecer
Que alça voo
Nos delírios da lua
E torna-se refém
Das miragens das estrelas.

Um presente mágico
De gáudio que dissipa
A dor do abismo
E inebria o coração
Com mistério de fetiches.

Um presente reluzente
De sol que invade
Minh´alma oprimida
E como um mago
Unta-a com a seiva do amor.

Mardilê Friedrich Fabre

Imagem: Google

3 comentários:

Celso Gabriel Toledo Silva disse...

Como se faz tão evidente a falta da 'seiva d'amor'. Beijos - CeGaToSí®

Anônimo disse...

Visitei e multipliquei no twitter e no FB.

Abraço,

Eloísa

Anônimo disse...

Lindo poema, como sempre. És uma poeta de mão cheia. Te admiro

Um beijo

Liti