sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Sim, tenho sonhos


Quando descobri meus sonhos,
Enlacei-os forte,
Afinal, eles faziam-se acompanhar da poesia.
Acariciei-os lentamente,
Porque os desejara tanto!
Cantei-lhes acalantos,
Assolava-me um medo infantil
De que se assustassem e fugissem...
Embalei-os com as notas suaves das sonatas de Chopin,
Alimentei-os com imagens e cores.
Queria-os vibrantes, perfeitos
Como os amores que nascem na primavera
E vivem na eternidade das certezas.
Meus sonhos...
Às vezes, perdia algum pelo caminho.
Sem medir esforços, porém,
Voltava para pegá-lo
E colocava-o no meu colo,
Sussurrando-lhe palavras meigas e delicadas,
Que tinham um misto de apreensão e alegria.
Eu não permitia que desaparecesse,
E ele continuava comigo.
Aconchegado em meu peito.
De vez quando, olhava-me de viés,
Como a suplicar que não o abandonasse à sua sorte.
E eu, num tremendo esforço,
Tentava lembrar-me
Por que me escapara logo este sonho...
Qual fora o meu descuido?
E o meu pensamento se voltava para os outros
Que ainda estavam comigo.
Precisava assisti-los,
Para que não se perdessem
E se esquecessem de acontecer.
Mas...
Por mais que eu me desvelasse,
Por mais que os alcançasse em seu refúgio,
Por mais que os tratasse com esperança,
Um dia...
Um deles escorreu-me pelas mãos
E espatifou-se nos ladrilhos do tempo,
E a saudade, ligeira, dele apoderou-se
E levou-o com ela.
Foi um milésimo de minuto...
E eu? Ali, parada, aturdida...
Agora havia uma ausência
E seria impossível preenchê-la.

Mardilê Friedrich Fabre

Imagem: Google

3 comentários:

Jorge Sader Filho disse...

"Agora havia uma ausência
E seria impossível preenchê-la."
E a autora explica tudo...

Abraço,
Jorge

Dulce Morais disse...

Que não tem sonhos não vive por inteiro.
Quando nos falta um, é um vazio imenso que resta.
Muito sensível!

Anônimo disse...

Oi, mardilê querida, vc é lindamente humana qdo nos fala dos seus sonhos. Até entendo que não se queira perder nenhum, principalmente sem, antes, termos nos despedido de algum. Mas, não será egoísmo de nossa parte agarrar-se a um sonho que sentimos estar se despedindo de nós? A despedida pode significar que a sua missão de alguma forma já se cumpriu. Acalentamos sonhos como o fazemos com os nossos filhos e, tb deles, a vida nos separa.

Tal qual acontece qdo dormimos, os sonhos se renovam.

Tal qual acontece qdo dormimos, acordamos e nos damos conta que fomos seus guardiões pelo tempo necessário para que eles vivessem ao nosso lado.

Há uma delicada beleza em seus versos.

Há uma delicada beleza em você.

Bjinhos. Irany