sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Seres errantes


5 comentários:

Celso Ferruda disse...

Poxa!..sempre nos perguntando!
Ainda bem que continuamos errantes...
Ao contrário sim não teríamos nem futuro. ..nem presente...só passado. .

Jorge Sader Filho disse...

Uma situação muito comum e frequente.
E vem a inevitável indagação, Mardilê. Bonito estilo no seu poema!
Abraço.

Anônimo disse...

Fantástico. Adorei!. Abraços. Ilda Maria Costa Brasil

Anônimo disse...

Lindo ternurento intimista adorei bj Mardilê Friedrich Fabre
Etelvina

Anônimo disse...

Adoreiiii. Luci Ritt