sábado, 10 de setembro de 2016

Seria delírio?



Seria delírio de amor
Florir como a rosa vermelha
À qual agrada ao sol se expor?

Seria delírio, poeta,
Não desvanecer a centelha
Que no coração é secreta?

Seria delírio apagar
O passado que a luz espelha
Nas águas do lago ao luar?

Que segredo com ardor
Esconderia a flor quieta?

Por que o destino decreta
Solidão aprofundar?

Salva-a o beija-flor.


Mardilê Friedrich Fabre




Teoria deste tipo de composição literária:
http://comocriarpoemas.blogspot.com.br/2014/11/escala.html

8 comentários:

Anônimo disse...

Mardilê, querida.
Não entendi bem como se deu a criação deste poema. Só sei que gostei.
Um abraço.
Irany

Anônimo disse...

Que lindo! Que lindo!
Parabéns, Mardilê1

Zulma T. de Bem

Anônimo disse...

Li e gostei Luci

Anônimo disse...

Linda, como tudo que escreves! Marlene

renate gigel disse...

delírio de amor sempre é cor para nossa alma
bj
re

Jorge Sader Filho disse...

O delírio desapareceu com o beijo.
Abraço

Celso Ferruda disse...

Cada pergunta exige uma resposta. Portanto não é simplesmente um poema...Há uma reflexão grandiosa embutida ...cada coração pode dar a sua..Obrigado Mardile por nos proporcionar este momento..abraços poéticos!

Anônimo disse...

Linda! Zulma